J-Stuff #6: Piores capas de 2012 (até agora)

Quando sai algum novo lançamento, seja single ou álbum, também tem bastante curiosidade pelas capas. Elas costumam ser um retrato, mensagem do que vamos escutar nas música.

E dentre o J-music, a divulgação das capas são bastante esperadas por seus fãs e logo são espalhas pela internet para todos poderem conferir. Gostamos de algumas. Odiamos outras. Ou simplesmente pensamos “que porcaria é isto?”, tentando entender o porquê de tal capa ser assim.

Então, estou fazendo um resumo das piores capas lançadas até agora, no ano de 2011. Provavelmente deixei passar algumas outras “maravilhas”. Então, não deixem de comentar.

Confiram!

“Step One” – lecca

lecca virando, ou mais exatamente (quase) beijando um beija-flor. Fora as cores de fundo e letra que machucam os olhos ao olhar.

“Pyoko Pyoko Ultra” – Morning Musume

Idols sofrem, tendo se fazer de meiga, fofas e bonitinhas em situações questionáveis, para não dizer estranhas ou mesmo bizarras. E aqui temos as MoMusu fazendo cosplay de chocobo, mas que podiam também cantar “Meu Pintinho Amarelinho” junto com o Gugu.

“Manatsu no Sounds good! – AKB48

Quem disse que o AKB (mais exatamente as decisões do Aki-p) não erra algumas (ou muitas) vezes….

É impossível não notar essa fonte e cor horríveis nas capas. Mesmo com um monte de idols de biquínis (baratos) para compensar. Vejam ass capas de Ponytail to Chouchou e Everyday Kachuusha, e também concluem que simplesmente não dá.

“BLACK & WHITE” – FLOW

Um bolo? Pra quê? Comemoram aniversário da banda? Deu fome nos integrantes na hora que bolaram na capa? Ou fazer você ficar com fome ao olhar o bolo?

Aliás, a terceira opção que acredito ser a mais plausível e, por isso, odiei a capa. Dá uma vontade de comprar um bom bolo e se entupir comendo.

Ao contrário da capa, o álbum é muito bom. Bem rock ao estilo da banda. Pode não ser tão elaborado quanto o anterior “MICROCOSM”, mas “BLACK & WHITE” desponta com um dos melhores álbuns de Jrock do ano (como foi o outro, no ano que foi lançado)

E vai um bolo aí? Desculpe, é uma mentira.

“Two Hearts” – Daichi Miura

Confiram essa arte linda, com o coração feito no paint. Nem o Hello! Project conseguiram tamanha proeza (e olha que se esforçam bastante). E claro, sem esquecer das poses super-sexy do Daichi. NOT.

“Ano.. Namida ga Arukara Ai ga Arundesukedo.” – Yusuke

Um olho? E são diferentes nas capas. Agora são versões exclusivas, uma é para míopes e outro para hipermétropes?

“Party Queen” – Ayumi Hamasaki

Tô nem aí para os fãs que ficam justificando da decisões da Ayu. É tipo das atitudes, mensagens/recados que Ayu andou deixando em seus últimos clipe, os quais somente os fãs mais fervorosos, aqueles que acompanham de perto sua carreira, que vão realmente entender tais mensagens.

Se Ayu quis causar polêmica, conseguiu e bem. Mas o resultado geral não foi positivo. Só deixando que não foi só a capa ou o álbum que fizeram ela não ficar em #1 na Oricon. Além de seus trabalhos mais recentes (pós-”Rock ‘n’ Roll Circus”) não agradarem a maioria. E também não deve desmerecer o Acid Black Cherry. “2012″ é um excelente álbum.

Ayu é diva? É. Pode fazer qualquer coisa a esse ponto da sua carreira? Pode. Mas isso não a deixa imune de achar as coisas delas ruins. Essas capas são ruins, são.

Mamireru – Kaela Kimura

Sabemos que Kaela Kimura gosta de ser bem alternativa, seja no visual quanto suas músicas. E muita gente gosta disso (eu por exemplo). Mas desta vez exagerou, pelo menos na capa. Fico imaginando a música sendo usada no comercial de alguma marca de tinta lá no Japão. Que foi? É marketing.

Se bem que se fosse azul, Kaela poderia se vestir assim.

Pena que o single conta com uma imagem promocional muito legal. Poderiam ser algo assim nas capas que ficaram bem melhor.

E que venha a segunda edição!

Rock In Japan Festival 2011 – parte 1

Estava semana passada, procurando vídeos para a minha review do 9mm Parabellum Bullet no Jstation, e acabei encontrando dois de um show que a banda fez no Rock In Japan Festival 2011, os quais gostei bastante. E também fiquei curioso pelo evento que estavam se apresentando. Ainda mais por ter visto um tópico no fórum do Jstation, o que me deixou mais interessado para procurar. E agora tento repassar um pouco da informação que encontrei para vocês, e para que possam curti tanto quanto eu.

O Rock In Japan Festival (ou RIJF) é o maior festival de música em área livre do Japão. O evento é organizado pela revista Rockin´ On, uma das mais influentes de J-rock. A edição de 2011 do RIJF é a décima-segunda e aconteceu nos dias 5, 6 e 7 de agosto no Hitachi Seaside Park (Hitachi Kaihin Kouen), localizado na prefeitura de Ibaraki. E o RIJF teve a sua edição deste ano ameaçada, devido ao grande terremoto de março. Mas, um mês após o local foi reparado e teve a liberação aprovada, para felicidade dos fãs.

Site Oficial: rijfes.jp/11

Vídeo para poderem ter uma melhor noção do que é o Rock In Japan Festival:

Continuar lendo

Checklist #6: lançamentos de singles e álbuns (semana 03/08)

Com atrasado, mas finalmente está o post com os PVs dos lançamentos da semana de 03/08 no Japão.

A sessão Check-list será uma espécie de previews de lançamentos da semana no Japão. Irei postar os PVs dos singles/álbuns referentes ao lançamento do artista.

O foco será nos singles. Mas também vou procurar postar o máximo de álbuns.

Obs:

  • Caso você lembre de um artista/grupo/banda que não esteja no post e lançou um trabalho na semana, não deixe de comentar. Será bem-vindo poder conhecer o que você gosta, acompanha dentro do J-music.
  • O “♫” é recomendação para escutar o single/álbum, ou, no mínimo, assistir o PV. Os “♫” variam de 0 a 5.

*****

SINGLES

  • SM☆SH – “Bounce★up” ♫
  • Hideaki Tokunaga with Family – “Ashita e Kaerou” ♫♫
  • Hyadain – “Hyadain no Jojo Yujo” ♫♫

  • Continuar lendo